PPS rompe com Rollemberg, Vigilante reclama e Partido dispara contra petista

Print Friendly, PDF & Email

Enquanto isso GDF faz ‘cara de paisagem’

Por Kleber Karpov

Na tarde dessa quarta-feira (8/Fev), na sala da presidência da Câmara Legislativa do DF (CLDF), o Partido Popular Socialista (PPS) anunciou, oficialmente a oposição ao governo Rodrigo Rollemberg (PSB). O anúncio foi capitaneado pelos distritais, Celina Leão e Raimundo Ribeiro e o senador Cristovam Buarque, todos da sigla. O presidente da CLDF, deputado Joe Valle (PDT) e o vice-presidente, Wellington Luiz (PMDB), também participaram da entrevista coletiva.

O anúncio ficou por conta de Cristovam Buarque que foi enfático ao afirmar que “os problemas se acumulam e o governo se mostra ineficiente em traçar o futuro da cidade”. O senador observou ainda, a importância da CLDF no exercício da democracia no DF. Na ocasião, Joe Valle disse que a Casa estará sempre aberta aos grandes temas e convidou Cristovam Buarque para realizar uma palestra sobre educação.

A Leoa, apelido de Celina Leão, também falou sobre a oficialização da oposição ao governo. De acordo com a parlamentar, o foco é apontar caminhos para resolver os problemas da cidade. “Faremos uma oposição responsável, apontando rumos e caminhos, buscando resolver os problemas da cidade. Não podemos mais aceitar esse desgoverno. Omissão é crime! Não podemos mais nos omitir diante de um cenário tão crítico”, enfatizou Celina Leão.

Para Celina Leão, os parlamentares do DF, não podem compactuar com a omissão e as arbitrariedades por parte do governo. “Não dá mais para a gente se omitir diante de tanta arbitrariedade que está ocorrendo no DF. No ano passado, nós do PPS, fizemos reuniões, optamos por nossa independência, mas agora não dá mais. Independência não basta para o Distrito Federal. Precisamos de uma ação mais firme frente aos problemas da cidade, e que a população seja representada por seus parlamentares, sejam eles distritais, federais e senadores”, sublinhou.

PPS se manifesta

Em nota pública distribuída na coletiva, o PPS não poupou críticas à gestão de Rollemberg, além de “conclamar as demais forças políticas que não estão na base do governo ou não foram cooptadas pelo governo” a se unirem em busca de “salvar a cidade de um caos ainda pior” e para “construírem desde já uma alternativa política competente, representativa e socialmente sustentável para tirar Brasília do desastre em que ora se encontra”.

Nota Pública do PPS – DF

Em nome da Esperança e em defesa da cidade o partido exige respeito com a OPOSIÇÃO!

O Partido Popular Socialista – PPS do Distrito Federal, a despeito de não participar do governo Rollemberg, mas atinente a sua visão republicana e da preocupação com os destinos de nossa cidade vem, por meio de sua bancada na Câmara Legislativa, desde meados do ano passado buscando colaborar, para minimizar os efeitos da grave crise orçamentária que Brasília, como de resto a maioria das unidades da federação estão enfrentando, e de minimizar o sofrimento da população vítima de uma gestão que até aqui tem se mostrado socialmente desastrosa e politicamente insustentável.

Todavia, o atual governador não tem se portado a altura do cargo que os eleitores do DF lhe deram. Trata seus aliados a base da chantagem, os adversários com espírito de vingança e a população com inteiro desrespeito. Montou seu governo com critérios claramente mesquinhos e pessoais, alheio aos mais elementares princípios republicanos. Suas atitudes têm sido pródigas em incapacidade gerencial e recheadas pela inapetência em articular soluções plausíveis para os problemas da cidade         

Com o espírito elevado de preservar a cidade, o PPS se esforçou para não piorar ainda mais a situação de calamidade em que praticamente a cidade chegou. Porém, o modo como o senhor Rollemberg se relaciona com a oposição, desdenhando da tolerância e da saudável divergência democrática colaborativa,- pois especialmente com os deputados do PPS têm praticado uma política ardilosa de perseguição, com claro sentido de aniquilação do contrário, tanto no cenário da Casa Legislativa quanto nas demais instância do poder público local -,tudo isso, conjugado com uma incontestável inoperância no poder ensejam e exigem uma dura e definitiva posição de nossa parte: fazer a oposição democrática e edificar um caminho mais decente para o Distrito Federal.

Sendo assim, nosso partido, conclama as demais forças políticas que não estão na base ou não foram cooptadas pelo governo a se unirem em busca, primeiro, de salvar a cidade de um caos ainda pior, pois não há como os serviços de saúde, por exemplo, possam ainda ser mais ineficientes, assim como é inconcebível suportar o aumento abusivo nas passagens de ônibus.   Em segundo lugar, para construirmos desde já, uma alternativa política competente, representativa e socialmente sustentável para tirar Brasília do desastre em que ora se encontra.

Brasília-DF, 08 de fevereiro de 2017.

Partido Popular Socialista do Distrito Federal”.

Vigilante reclama

Embora tenha se declarado opositor ao governo, o distrital, Chico Vigilante (PT) não gostou do que chamou de “incoerência”por parte de Cristovam Buarque anunciar a oposição. Na coluna mantida em Brasil 247, o parlamentar afirmou estar preocupado com a postura do senador, além de o acusar de “virar as costas para as causas sociais e demandas dos trabalhadores”.

Vigilante lembrou a trajetória política de Cristovam, durante a gestão do ex-governador, Agnelo Queiroz (PT) e acusou o parlamentar de repetir a dose ao ‘pular for a do barco’ da gestão Rollemberg.

Cabe lembrar que, em 2010, ele subiu no palanque e apoiou a campanha de Agnelo Queiroz. Mais tarde, criticou o quanto pode e de maneira ferrenha a gestão do governador Agnelo e e depois se afastou, trilhando o caminho da oposição.

Agora é a mesma coisa, o roteiro se repete. Foi ele, o senador Cristovam Buarque, que em 2014, juntamente com Reguffe que apresentaram como candidato a governador, o então senador Rodrigo Rollemberg. E foram em cada canto do Distrito Federal dizendo que Rollemberg era a ‘oitava maravilha do mundo’ e que era o melhor para Brasília pedindo votos. E, agora, se afasta do lado do governador esbravejando que é oposição.”.  

PPS revida com metralhadora

Mas quem não gostou foi o próprio PPS que municiou a arma com sete argumentos de peso e nas redes sociais, disparou contra o petista.

“Hipocrisia tem limites.

Inconformado com a legítima atitude do Senador Cristovam Buarque de se declarar em oposição ao governo Rolemberg, o deputado Chico Vigilante, assumindo o seu verdadeiro papel de líder informal do governo, vem a público “cobrar” coerência de Cristovam. Então vamos aos fatos:

  1. A decisão de ser oposição ao governo Rolemberg não é apenas do Senador Cristovam Buarque, mas de todo o PPS incluindo sua bancada na CLDF, e isso ocorre porque ser oposição a esse governo não é apenas uma posição política mas um ato de amor a Brasília;
  2. O Senador Cristovam Buarque sempre marcou sua atividade política pela defesa intransigente dos interesses do DF, acima de eventuais interesses partidários e eleitorais, fato este reconhecido não apenas pelos cidadãos do DF, mas de todo o Brasil;
  3. Já o deputado Chico Vigilante, cujas gambiarras não se despregam das tetas dos governos (seja ele qual for) desde a época Roriz, no atual governo exerce desde o início a liderança envergonhada do governo Rolemberg, bastando se verificar quantas vezes votou a favor do governo;
  4. “Ensinou” o governo Rolemberg a desviar os recursos do IPREV, prejudicando milhares de servidores públicos do DF;
  5. Além disso, foi o maior cabo eleitoral do candidato de Rolemberg à presidência da CLDF, numa demonstração irretorquivel do servilismo que caracteriza sua relação com o governo;
  6. Não bastasse tudo isso, o deputado Chico Vigilante apóia a imoral intervenção do governo na eleição das comissões internas desta CLDF;
  7. É tão “apegado” a liderança informal do governo que defendeu publicamente o aumento ilegal e imoral das passagens de ônibus e metrô decretado pelo governador;

Como se pode ver, ao contrário do Senador Cristovam Buarque que não troca seu mandato pelos “encantos” dos governos, o deputado Chico Vigilante com suas atitudes estabeleceu com o governo rolemberg uma relação promíscua em que ambos se envergonham de estarem juntos e por isso não se assumem.

Chega de hipocrisia né deputado Chico vigilante!

Executiva Regional do PPS/DF”.

Enquanto isso o GDF canta: “Tô nem aí, tô nem aí”

Em tom de indiferença em relação à oposição do PPS, em nota o GDF, faz pouco caso à oposição anunciada ao afirmar que a legenda já fazia oposição ao governo.

“Há muito que os parlamentares do PPS já fazem oposição ao governo. Isso ocorre desde o momento que a Câmara Legislativa não aprovou a emenda da reeleição da deputada Celina Leão que o senador Cristovam Buarque se afastou do governo, apesar de todas as tentativas de diálogo. Espero que a decisão do senador não seja de oposição a Brasília.”.

Em tempo

Falando em tentativa de diálogo, resta saber como o GDF deve se comportar ao ‘forçar a barra’ para garantir o isolamento na condução das políticas públicas para o DF. Vale lembrar que convidado para participar da reunião entre os parlamentares da CLDF, Câmara Federal e Senado para discutir os problemas da cidade, Rollemberg, tentou o esvaziamento ao agendar outra paralela com os deputados da base do governo da Câmara Legislativa.

Erramos:

Onde mencionamos, no título: “PPS rompe com Rollemberg, Vigilante reclama e Raimundo Ribeiro dispara contra petista“, entende-se-á: “PPS rompe com Rollemberg, Vigilante reclama e Partido dispara contra petista“.

As referências apontadas ao deputado distrital, Raimundo Ribeiro, na prática foram da Executiva do PPS-DF.

Com informações de CLDF – Atualização: 1h50 para retificações de erros

0