Mapa hidrográfico do DF é atualizado depois de 10 anos

Print Friendly, PDF & Email

Publicação traz nomes atualizados de todos os cursos d’água e servirá de ferramenta para classificação da qualidade da água. Exemplares serão distribuídos aos órgãos públicos que lidam com o tema hídrico.

A Secretaria de Meio Ambiente (Sema-DF) lançou nesta quinta-feira (8) o novo mapa hidrográfico do Distrito Federal, que não era atualizado desde 2006. O Conselho de Recursos Hídricos (CRH) aprovou resolução em 2015 para a adoção da base hidrográfica comum utilizada na publicação.

Os técnicos tiveram por critério cobrir o máximo possível do território na elaboração do novo mapa, segundo a gestora de políticas públicas da Sema-DF, Irene Mesquita. A versão digital ficará disponível na página da Sema-DF a partir do dia 9 de dezembro.

Foram produzidos 2.500 exemplares, impressos nas duas faces e serão distribuídos prioritariamente aos órgãos públicos que trabalham com a água no DF. O mapa foi feito na escala de redução 1:115.000 (um centímetro corresponde a 1,15km).

O mapa mostra a diversidade de nascentes, a estrutura geológica e a vegetação dominante. E que esses cursos d’água constituem-se “em um berço das águas, uma região de cabeceiras que abrange divisores de drenagens de três grandes regiões hidrográficas brasileiras (Tocantins-Araguaia, São Francisco e Paraná)”, informa a publicação em seu verso.

Segundo Irene, o trabalho foi coordenado pela equipe técnica do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e pelo Conselho de Recursos Hídricos (CRH-DF). “O ZEE se deparava com a situação de não ter uma base hidrográfica comum para realizar um melhor diagnóstico da situação da água em Brasília”, conta a gestora.

O CRH também identificou a necessidade de atualização quando começou a estudar o enquadramento dos corpos d’água do DF – o critério adotado pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) para definir usos e qualidade dos mananciais. A base hidrográfica comum é importante porque todas as instituições poderão utilizar o mesmo mapa, explica Irene.

“A importância dessa publicação é que ela já está revisada com os nomes dos cursos d’água”, destacou a gestora. As organizações terão até 2030 para se adequarem à utilização do novo mapa.

Inauguração da nova sede do Cirat

O mapa foi apresentado à sociedade durante a inauguração da nova sede do Centro Internacional de Água e Transdisciplinaridade (Cirat), no Jardim Botânico de Brasília (JBB), às 14 horas dessa quinta-feira. O WWF-Brasil doou as instalações para o Cirat realizar pesquisas sobre a água.

Com informações da Agência Nacional de Águas

0