Projeto do Hran vai aperfeiçoar acolhimento aos usuários

Print Friendly, PDF & Email

Curso em parceria com a Unip vai qualificar 124 alunos

Por Idelson Alan

Gradativamente, o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN) está promovendo mudanças no seu sistema de atendimento para colocar em prática as diretrizes do Programa de Humanização do Atendimento (PNH). Uma dessas ações é o “Projeto de Acolhimento com Universitários”, uma parceria com a Universidade Paulista (UNIP) que está treinando 124 alunos de enfermagem, fisioterapia, nutrição e assistência social para acolher e encaminhar os usuários de forma humanizada.

Para alcançar essas metas, o curso de extensão do Hran vai situar os estagiários nas entradas da emergência, ambulatório e internação do hospital, sob supervisão de servidores profissionais de saúde de cada área. “Pretendemos desenvolver nesses futuros profissionais a capacidade de escutar e manter empatia com os usuários, algo que pode parecer fácil à primeira vista, mas é extremamente complexo, pois tratamos de relações humanas com pessoas de algum modo fragilizadas por problemas de saúde”, explica Cristine Aguiar, instrutora do curso e assistente da gerência de enfermagem do Hran.

Ela acredita que a qualificação de novos profissionais de saúde com a perspectiva do atendimento humanizado trará benefícios palpáveis na gestão do sistema público de saúde. A melhor eficiência no atendimento repercute diretamente no adequado encaminhamento do usuário para o setor correto e, por consequência, produz resultados concretos na recuperação da sua saúde, com economia de recursos humanos e materiais, hoje tão escassos no SUS, avalia.

O processo de aperfeiçoamento do modelo de atendimento do Hran foi iniciado com a reorganização do sistema de classificação de risco dos usuários, que propiciou melhoria no fluxo de assistência do hospital. “O impacto esperado em ações como a qualificação profissional dos alunos do projeto de acolhimento Hran/Unip é a construção de uma nova forma de abordagem ao usuário que, seguramente, trará repercussões para a elevação dos resultados de gestão de todo o sistema, humanizado, mas eficiente”, pondera Cristine Aguiar.

Os acolhedores, como estão sendo chamados os alunos do curso de extensão – com duração de quatro meses – atuarão nas seguintes escalas: de 7 às 12h e de 12 às 17h. Já no pronto-socorro, em três turnos, de 7 às 12h; 12 às 17h e de 17 às 22h.

Fonte: SES-DF

0

Você pode gostar...

Comentário