Secretário inicia visitas ‘Saúde de Ponta a Ponta’ em Planaltina

35
Print Friendly, PDF & Email

Equipes de diversas áreas irão a todas as regionais para diagnosticar a situação do atendimento e buscar melhorias

Por Ailane Silva

A primeira edição do programa de visitas Saúde de Ponta a Ponta, criado com objetivo de avaliar de perto a situação dos hospitais e demais unidades da rede, começou nesta sexta-feira (2), em Planaltina, com a visita do secretário Fábio Gondim e do Grupo de Trabalho Mais (GMais).

A equipe, que deu início imediatamente a resolução dos problemas, visitou o hospital regional da cidade – que realiza mensalmente, em média, 900 atendimentos ambulatoriais e 15 mil atendimentos emergenciais – e o Centro de Saúde 3, que presta cerca de 3,9 mil atendimentos mensais.

“Nós viemos com uma equipe composta por diversos profissionais para conhecer a realidade da Saúde em Planaltina e vamos de ponta a ponta no Distrito Federal para encontrar soluções. Aqui, nivelamos o conhecimento porque pudemos diagnosticar quais são os problemas e resoluções que podem ser adotadas”, observou o chefe da pasta.

Publicidade

Gondim, após diálogo com servidores e pacientes sobre as condições de atendimento, elegeu a ortopedia como uma área crítica, em razão das reclamações sobre a lentidão para atender as cirurgias ortopédicas, o que começou a ser resolvido.

“Verificamos que essa demora não era diretamente responsabilidade da Secretaria de Saúde, mas sim de uma empresa que não entregou uma caixa de ferramentas necessárias para operar”, destacou o secretário, que imediatamente contatou a empresa, que garantiu disponibilizar o material ainda hoje (2) para normalizar o atendimento.

Outro problema encontrado foi a falta de logística para entrega de fraldas na unidade. Gondim solicitou que o material fosse distribuído o mais rápido possível para atender os pacientes. Também ficou acertado que dois carrinhos do centro cirúrgico que estavam quebrados seriam concertados.

Ao se dirigir ao GMais, Gondim determinou que eles fizessem uma avaliação das diversas áreas dos hospitais. “Nosso foco principal será o controle de estoques de medicamentos, logística, faturamento e escala de profissionais”, alertou Gondim.
O chefe da pasta foi levado até o centro cirúrgico da unidade. “Nós temos um dos melhores centros cirúrgicos da rede. São quatro salas cirúrgicas, cinco de recuperação, além das áreas de repouso, material esterilizado e de material de consumo. As instalações estão em perfeito estado”, informou o cirurgião geral, Valter Coser.

Ao passar pela base do Samu, Gondim verificou as melhorias que estavam sendo realizadas pela administração regional, entre elas, a colação de asfalto no estacionamento e para a passagem das ambulâncias. O projeto de engenharia para a cobertura da área que ficam as viaturas está em fase final.

Já no Centro de Saúde 3, o gerente Cleber Cunha apresentou a estrutura, que está funcionando em local alugado na região tradicional de Planaltina-DF. A transferência para uma área definitiva, onde funcionava o Corpo de Bombeiros da cidade, ocorrerá assim que as obras forem concluídas.

O representante do Conselho de Saúde, Regional de Planaltina, Aniceto Luiz Muller, acompanhou a visita e, para ele, a iniciativa é essencial para conhecer a realidade. “Estamos vendo que essa equipe veio para resolver os problemas com comprometimento. É importante que essas visitas tenham continuidade, porque os problemas estão dentro das unidades de saúde”, disse.

REUNIÃO – Durante a visita ao hospital, Gondim se reuniu com servidores para esclarecer a situação da pasta e ouvir as demandas do setor. Segundo ele, todas as unidades de saúde apresentam problemas, inclusive, de recursos.

“A solução está na própria Saúde. Embora tenhamos problemas financeiros, o Distrito Federal tem o maior orçamento per capta do Brasil e, desse montante, 24% foram para Saúde. Portanto, temos obrigação de ter a melhor saúde do país”, disse.
Durante o diálogo, a servidora Lara Loreto, chefe da gestão de custos do hospital, afirmou que a falta de autonomia nas unidade prejudicam o andamento das ações para melhoria dos serviços. “Nós, muitas vezes, temos ideias para aperfeiçoar o atendimento e, até mesmo, elevar a qualidade do funcionamento, mas a estrutura é muito centralizada”, reivindicou, ao elogiar a visita, que oportunizou o diálogo.

ESTRUTURA – A Regional de Saúde de Planaltina é coberta por cinco Centros de Saúde, três Postos de Saúde da Família Urbanos, nove Postos de Saúde da Família Rurais, um Centro de Referência em Práticas Integrativas em Saúde e um Centro de Atenção Psicossocial.

Fonte: Agência Saúde

0

Comentário