SindSaúde decreta estado de greve e ameaça parar caso GDF não pague reajuste

19
Print Friendly, PDF & Email

Os servidores da Saúde vinculados ao Sindicato dos Servidores em Estabelecimentos de Saúde do DF (Sindsaúde) aprovaram em assembleia geral realizada na manhã de quarta-feira (30/Set), decretaram estado de greve. Com isso, caso o GDF não a e prometem cruzarem os braços caso o GDF não pague a última parcela que incorporou a Gratificação de Atividade Técnico Administrativa (GATA) e a redução das 20 horas semanais.

Com cerca de seis mil sindicalizados, em grande maioria de profissionais de áreas administrativas, o SindSaúde participou de reunião com o governador, Rodrigo Rollemberg (PSB)(29/Set). Na ocasião o  chefe do Executivo explicou que os salários de setembro serão pagos com recursos do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal (IPREV).Rollemberg pediu ainda paciência, agendou nova reunião em que deve apresentar um cronograma de pagamento dos reajustes, além de dar garantia que não deve mexer no pagamento em pecúnia da Licença-Prêmio.

O Projeto de Lei do IPREV foi votado e aprovado por 23 votos favoráveis e um contrário na Câmara Legislativa do DF (CLDF), na tarde de terça-feira (29/Set). No entanto em assembleia o SindSaúde estabeleceu que caso o GDF não efetue pagamento do reajuste de incorporação da GATA e as 20 horas semanais, que os servidores devem entrar em greve por tempo indeterminado à partir da próxima semana.

A direção do SindSaúde agendou nova assembleia para quinta-feira (8/Out), um dia após o vencimento da data de pagamento dos servidores, ocasião em que devem confirmar a paralisação geral ou o fim do estado de greve.

0

Comentário