Alô Rollemberg, tentativa de golpe no governo Agnelo pode se repetir no seu

15
Print Friendly, PDF & Email

Cerca de 600 recepcionistas terceirados na saúde podem levar calote de empresa

Este blog recebeu na data de hoje(12) apelo dramático de representantes de cerca de 600 recepcionistas terceirizadas, no governo passado, através da empresa GVP, para atender nas portarias dos hospitais da rede pública. Além do costumeiro, e covarde, tratamento que essas empresas têm para com seus empregados ao termino de cada contrato, comenta-se que as dívidas da GVP para com essas vítimas serão “enviadas ao GDF”, para que este assuma, à exemplo do que os empresários do setor de transporte tentaram fazer no governo de Agnelo Queiroz.

Claro que este golpe não vai colar, e menos ainda em um governo financeiramente quebrado, como se encontra o atual.

Resta, então, uma pergunta: cadê o Ministério Público essas horas????

Abaixo, relato dramático de uma das 600 empregadas abandonadas covardemente pela empresa GVP:

“Todas as recepcionistas foram assumidas no dia 01-07-2013, sendo informado na época que o salário seria de R$1.151 com benefícios (VT,VA e plano de saúde), no início conseguimos utilizar o plano, também fomos informadas que o contrato seria de 5 anos e que receberíamos até o quinto dia útil do mês, como previsto em lei, porém isso nunca aconteceu, sempre recebíamos o pagamento com dias de atraso e utilizavam sempre a mesma desculpa. Em novembro não recebemos a primeira parte do décimo terceiro e o salário referente a novembro foi pago no dia 14-12, também houve atraso com o pagamento da segunda parte do décimo terceiro referente a dezembro, recebemos no dia 23-12. No mês de janeiro não recebemos o salário, o mesmo foi pago no dia 06-02-15, sendo esse referente ao mês de dezembro, ou seja, estava sendo acumulado atraso atrás de atraso, e ficamos sem receber nada desde fevereiro, e quando procurávamos informações a resposta era sempre a mesma, a de que não havia previsão pois a secretaria de saúde não teria repassado a verba para que realizassem os pagamentos. No mês de março a empresa fez um pagamento em completo descontrole, algumas recepcionistas receberam o valor de dois salários e outras não receberam nada, com isso pode-se observar que a empresa não possui competência para administrar tais serviços, tendo como funcionários pessoas despreparadas para nos orientar, e quando nos orientavam era com grosseria e descaso, de fato uma humilhação para todas as recepcionistas. Estive na audiência que ocorreu no dia 29-04 e a empresa ficou de realizar o pagamento dos atrasos até o dia 08-05 e como já esperado o acordo não foi cumprido. No dia 07-05 algumas recepcionistas receberam pagamento, e como já citado, novamente outras não receberam. Hoje, dia 12-05 o supervisor da empresa pediu para uma recepcionista passar o recado de levarmos nossos documentos dia 26-05, então resolvi entrar em contato por telefone com a Andréia, que trabalha no sindicato e perguntei se havia alguma audiência marcada, pois a empresa não havia cumprido com o que foi determinado em pauta, e fui informada que uma audiência está marcada para o dia 18-05 segunda-feira, e que a empresa continua alegando para o sindicato que não tem dinheiro para rescindir os contratos e nos pagar e estão tentando jogar a “bomba” para o GDF fazendo com que assumam a dívida.Também gostaria de expor que éramos proibidas de fazer greve, mais uma vez nossos direitos estavam sendo limitados, alguns supervisores, sendo um deles o Sr. Darlam iam até os postos e falavam que se alguém participasse de qualquer ato levaria falta ou seria mandada embora com justa causa, caso não estivesse presente no local de serviço. Ressalto também que no dia em que fui assinar meu aviso prévio, um responsável pela empresa do VA estava presente fazendo cobranças, pois também não haviam recebido os devidos pagamentos. Quando nossos convênios foram cancelados por falta de pagamento da empresa, muitas grávidas e pessoas doentes que estão afastadas pelo INSS ficaram desamparadas, com isso podemos ver que essa tal empresa não respeita os trabalhadores e mais do que isso não respeita o ser humano, além de agredir os direitos fundamentais, esta afetando pessoas de bem”.

Publicidade

Fonte: Blog do Professor Chico

0

Comentário