Reguffe repete a dose, corta despesas e abre mão de privilégios no Senado

Print Friendly, PDF & Email

Em nome da ética e do bom senso o senador, José Antonio Reguffe (PDT-DF), se elegeu senador com mais de 826 mil votos. Ao assumir o mandato Reguffe deu mais uma amostra de sua marca registrada, economia de recursos públicos. No primeiro dia de mandato o parlamentar protocolou nove ofícios à diretoria-geral do Senado que resultou na redução de gastos do gabinete para menos da metade.

O senado baseia as campanhas eleitorais pautadas em demonstrar à sociedade que é possível se exercer um mandato parlamentar sem a necessidade de se utilizar das regalias e boa parte dos recursos públicos concedidos pelo Estado e que saem do bolso da população brasileira.

Nesse contexto, entre as contenções de despesas no gabinete Reguffe reduziu de 55 para 12 a quantidade de assessores, abriu mão de 100% da verba indenizatória e da cota de atividade parlamentar. O impacto dessas duas medidas gera uma economia de quase R$ 17 milhões, isso sem contabilizar economias indiretas com custos de férias e encargos sociais de servidores que deixou de contratar.  O Senador recusou ainda carro oficial, consequentemente economizará com combustível e manutenção.

Reguffe foi além, abriu mão de plano de saúde que garantiria acesso a tratamentos médicos e odontológicos tanto dele (senador) quanto de toda família. Esse benefício concedido aos senadores e deputados federais é vitalício, ou seja, é concedido aos parlamentares e aos familiares, enquanto o parlamentar estiver vivo, mesmo após ter deixado de desempenhar tal função. Mais que isso, preferiu contribuir com o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), a ter direito à aposentadoria especial de parlamentar.

Procurado pelo Política Distrital para questionar, o que muitos devem considerar loucura, a cessão da garantia de acesso vitalício ao tratamento médico e odontológico, Reguffe foi enfático:  “Minha preocupação é fazer a minha parte e honrar o compromisso que assumi com as pessoas que votaram em mim.”, afirmou Reguffe.

As medidas foram tomadas pelo parlamentar em caráter irrevogável. Isso o impede de reconsiderar a decisão futuramente. Se a mesma iniciativa tivesse adesão dos outros 79 senadores, a economia estimada aos cofres públicos poderia ultrapassar R$ 1,3 bilhão.

Reforma Política e Eleitoral

No primeiro discurso em Plenário, o senador, Reguffe (PDT-DF), agradeceu os mais de 826 mil votos que o elegeram ao Senado Federal. E apresentou sete propostas para as reformas política e eleitoral. O fim da reeleição para cargos no Executivo, do voto facultativo, proibição de doações privadas para campanhas políticas estão entre as medidas de Reguffe. As medidas visam sobretudo a valorização do voto do eleitor, baseado em propostas e ideias, reduzindo a industria eleitoral existente no país.

Confira as sete propostas apresentadas por Reguffe para a reforma política e eleitoral.

Com informações de Jornal da Comunidade

13

Comentário