Respeito é bom e o povo cobra

7
Reprodução da Internet
Deputados distritais recuam e engavetam projetos da blindagem
Print Friendly, PDF & Email

“Gato escaldado tem medo de água fria”. A população brasileira, principalmente no Distrito Federal, demonstrou que está mais consciente e não deixará que abusos praticados, a exemplo da blindagem dos deputados distritais passem em branco. 

Nas eleições para presidente, pouco mais de 3 milhões de votos foi o que garantiu a reeleição da presidente, Dilma Rousseff (PT). E essa inexpressividade a deixou em maus lençóis com o PMDB e demais partidos aliados que querem mais poder e com a oposição.
Reflexo claro que o PT e a velha forma de fazer política estão se desintegrando. E a causa está intimamente ligada às tantas denúncias de corrupção e de descasos dos políticos para com seus representados. Se considerar que os votos de Aécio Neves (PSDB) somados aos votos brancos, nulos e abstenções, superam em quase 30 milhões os votos de Rousseff, isso deixa claro que o povo brasileiro aprendeu a dizer: Não!
Aliás, em todas as outras esferas eletivas para governador, senador, deputados federais, estaduais e distritais, não só o PT levou chumbo. A representação da velha forma de fazer política ficou de um modo geral ficou no tablado. As renovações dos cenários políticos demonstram isso. No DF, por exemplo, a renovação foi de 50% dos parlamentares.
No Distrito Federal há dois casos emblemáticos: o primeiro do governador Agnelo Queiroz (PT), por obter a segunda pior taxa de rejeição do país, por ser o primeiro candidato à reeleição a não ir para segundo turno e por garantir que o PT fique muitos anos sem a menor chance de governar o DF. Não que Agnelo não tenha feito nada, mas que não tenha dado ouvidos ao que a população queria. Um exemplo disso foi à desaprovação com os gastos bilionários com o Estádio Nacional Mané Garrincha, que quase deixou de ser Mané.
O segundo é o de Antonio Reguffe (PDT), que sob as bandeiras da ética, da redução de gastos públicos e do respeito ao povo tem ascendido politicamente desde que eleito pela primeira vez à deputado distrital (2007 à 2010), em seguida à federal (2011 à 2014) e recentemente  ao senado. Nessas eleições Reguffe deixou para trás candidatos de peso, a exemplo de Gim Argello (PTB) e Geraldo Magela (PT).
Hoje os parlamentares da Câmara Legislativa do DF (CLDF) acenaram que entenderam o recado do povo e desistiram colocar de volta à gaveta os Projetos de Resolução nº 81/2014 e nº 82/2014. O primeiro que impedia que os distritais votassem a cassação de colegas por falta de decoro parlamentar sem que houvesse antes a condenação, em ultima instância, na Justiça comum, o que praticamente garantia o mandato, mesmo se o parlamentar tivesse cometido falta grave. E o segundo PR que vetava ao cidadão a possibilidade de entrar com representação contra os parlamentares também por falta de decoro parlamentar.
Em entrevista à Rádio CBN (25), o presidente da CLDF, Wasny de Roure (PT), sugeriu que houve indução e politização da votação dos PRs para a população, mas admitiu que foi um erro ter colocado tais projetos em votação. Em reunião do colegiado na tarde dessa terça-feira, o Deputado decidiu engavetar os PRs da ‘blindagem’.
Infelizmente os deputados da CLDF ignoraram o recado do povo dado nas urnas, após as eleições. Mas foram lembrados pela reação dos cidadãos, por meio de entidade civis organizadas, que estão de olhos abertos e atentos e não as aceitarão mais passivamente práticas dessa natureza.

 

0

Comentário